Feeds:
Artigos
Comentários

Cozinhar e desenhar

Não são coisas assim tão diferentes afinal, um conjunto de preceitos, técnicas, gestos, a correcta escolha de materiais e suportes para um obter produto eficaz, correcto e, se correr mesmo muito bem, com alguma arte. Já Bruno Munari fizera uma analogia do Design, ou melhor, da metodologia projectual, com a receita de um arroz verde, de espinafres.

Espero com esta turma do 2º A de Design conseguir fazer assim um belo livrinho de cozinha, receitas propostas e ilustradas por cada um. Invertemos e sobrepomos no caminho as regras da culinária, do desenho e do design do livro, fazendo destes uma e a mesma coisa.

Anúncios

Fotoescultura

Um bocadinho a propósito da Coreia, mas sem grande pertinência afinal, aqui fica o trabalho do coreano Osang Gwon com centenas de fotografias – um pouco dos mosaicos com polaroids de David Hockney, um pouco cubista – enquanto não recupero as minhas pastas e favoritos:

3200000

Foram alguns alunos que me mostraram isto e ontem uma aluna voltou a lembrar-mo. Anda aí a rodar nas redes sociais, que não seja motivo para não passar aqui também este desenho paciente e virtuoso que Miguel Endara fez, com milhões de pontos, a partir duma fotografia de seu pai.

Detalhes quase impossíveis

Os desenhos destes artistas estão para lá de qualquer explicação, de qualquer classificação de hiperrealismo – porque são de tal modo fotográficos, logo quase obsoletos, incompreensíveis. Prendem-nos pelo seu rigor técnico, pelo seu domínio mas também eloquência dos materiais e instrumentos de representação. Trabalhos quase masoquistas, quase impossíveis.

Paul Cadden, Scottish Landscape, grafite sobre papel reciclado, mais aqui.

James White, Burger Box, óleo e verniz sobre chapa de bétula, 2010…mais aqui.

Nicholas Middleton, Demolished House, óleo sobre tela, 2008-9, aqui.

Armin Mersmann, ShadowPlay I, grafite sobre cartão, 2008. Aqui.

Do mesmo artista, Sticks and Stones de 2005:

E é este autor quem nos diz, para terminar: “I find a good rendering is a drawing of what a person sees, I find  a work of art is a drawing of what others don’t see. ”

  Armin Mersmann

1 + 1 = 3

Uma lição de criatividade e método…parece simples mas é mais na mouche!(clique aqui para entrar na página)

Para além deste guia, Austin Kleon, artista e escritor texano, faz poesia gráfica com uma espécie de ‘escuracionismo’ textual. A ver absolutamente.

Ir ao baeta

É um dos temas do diário gráfico para o 1º ano. Não tão difícil como se pensa, não é?

Pequena história com ferramenta

do extraordinário colectivo de animadores PES

%d bloggers like this: